sexta-feira, 26 de março de 2010

Scorsese, di Caprio e a crise do humano


Martin Scorsese e Leonardo di Caprio

A verdadeira crise da nossa época é a crise do humano, a crise do homem. Manifestações como a depressão, o transtorno bipolar, esquizofrenia, somado ao aumento do número de mortes por suicídios revelam que algo não vai bem! Nós perdemos o gosto de viver!

Por quê? Porque para muitos, como proclamou Sarte há cinquenta anos, a vida tornou-se absurda. Sartre é o verdadeiro profeta do nada, tachou a vida como uma paixão inútil, absurda, pode-se dizer assim. É claro que as pessoas mais inteligentes não poderiam gostar da vida. Seria preciso, num caso desses, ser bobo, para se amar a vida, se ela fosse o que este filósofo diz que ela é. Refugiaríamo-nos então, na lenta solidão, como o animal ferido, que afasta-se do bando, para sofrer lentamente a morte, ou então, em algumas formas patológicas, que nada mais são do que uma crise no relacionamento com o real, e cujo único "tratamento" só pode ser abraçar o real, sem censuras e sem limites.

Mas como? Esta é a pergunta fundamental! Como abraçar um real que me parece nocivo? Que me parece absurdo? Que parece ser contra mim, em última instância?

Por isso eu gosto tanto da música Imitation of Life. Porque ela descreve exatamente o niilismo contemporâneo, que não é a vida, mas uma versão pálida da mesma, e que pessoas inteligentes não podem tolerar!

Mas a vida existe! A vida humana existe! A minha vida existe! Só de pensar que toda a equação cósmica concorre para a existência da minha vida, da minha consciência, do meu eu me enche de comoção, de gratidão ao Mistério pela existência, pelo ser, pela vida! Que eu exista, e que seja maior do que todo o cosmos é uma coisa impressionante! E que cada vez mais se perde na consciência dos nossos irmãos homens!

Ao invés de olhar para o eu, as pessoas se perdem em inúmeras outras coisas, que estas sim, são inúteis. Que adianta eu fazer com que Dilma Rousseff perca a eleição, e depois, por fim, eu acabar perdendo a mim mesmo nisso tudo? Quem sou eu, e o que é que esta eleição tem a ver comigo? Quem sou eu, e o que é tudo? Esta é de todas, a pergunta mais importante: quem sou eu, e o que é tudo? Ou como diria Camus "o sentido da vida é a mais urgente das questões!"

Porque o nosso mundo pode ser tirado de uma hora para outra, e nós, nisso aí, perdermos o nosso nexo com o real, que é "o nosso íntimo sustento", como diz a filósofa espanhola Maria Zambrano.

O filme de Martin Scorsese, "Ilha do Medo", mostra exatamente isso, a perda do nexo com o real, e as suas terríveis consequências: mostra a história de um jovem policial que participou da Segunda Guerra Mundial, que viu o horror do absurdo nazista, o horror do que nós humanos somos absurdamente capazes (sim, porque o que a tradição cristã chama de "demônio", os modernos chamam de "absurdo". É uma abstratização, mas no fundo, é a mesma coisa, porque como disse o papa Bento XVI, o mal não é lógico, é absurdo. "Absurdo" é o nome moderno para "Demônio"!), e por fim, viu a própria esposa, vítima de transtorno bipolar não-tratado (como ele mesmo confessa que não buscou ajuda para ela), matar afogados os próprios filhos.

Estar diante do Mal não é algo fácil. Somos muito frágeis diante do Mal, do nosso, e do mal que encontramos fora de nós, e nas outras pessoas. Porque somos exigência profundíssima de sentido, de significado, e o mal é exatamente a negação descarada e sem vergonha disso tudo, simplesmente absurdo. Só mesmo Aquele é a Origem e o Sentido de tudo poderia enfrentar cara-a-cara o próprio Absurdo: o Demônio e as suas absurdas tentações no deserto. Só mesmo o Sentido de tudo poderia enfrentar a absurda condenação da Cruz, loucura e escândalo tanto para judeus como para pagãos.

Só este se encontramos este Sentido é que poderemos resistir, ficar de pé! O filme de Martin Scorsese é uma tragédia. Porque é uma ilha sem saída. Não há como dela sair. A única saída seria a morte. Mas a nós é dada uma outra possibilidade. A vida se torna assim, não uma tragédia, mas um drama. Torna-se a possibilidade de responder a um Outro que vem ao nosso encontro. Porque no nosso mar de desespero, no nosso vale de lágrimas, pulou como que um "salva-vidas" para nos salvar. Alguém, mais poderoso do que a própria morte, do que todo o niilismo, do que todo absurdo, entrou na nossa história, para dizer que não é a loucura, a depressão, a esquizofenia, o suicídio ou a morte a última palavra, mas um olhar amoroso. "Não há amor maior do o dAquele que dá a vida por seus amigos. Vocês são meus amigos!", diz o Sentido...

Pensar que o Criador de toda ordem cósmica tem essa ternura por sua criatura ferida pelo Mal, próprio e dos outros é uma coisa impressionante! Mas impressionante ainda é perceber os efeitos dessa ternura. Vejo isso em mim mesmo, em inúmeros amigos, e reconheci isso de forma estupenda no abraço que recebi de Vicky, ugandense que estava para morrer de AIDS, salva da tragédia por um olhar amoroso.

A última palavra da história não é a tragédia brilhante (bela, mas niilista) de Martin Scorsese, mas é esse olhar novo que entrou na história do mundo, e que pede para entrar na história de cada um em particular. A questão fundamental é somente uma para quem foi atingido por esse olhar: resistir ou ceder a esse olhar! A Tradição cristã tem nomes bem conhecidos para essa resistência ou esse ceder: "Inferno", ou "Paraíso"!

terça-feira, 16 de março de 2010

Hoje na sala-de-aula


Cão vira-lata

Hoje comecei um trabalho pessoal impulsionado por minha grande amiga Ana Tereza: levantar, e ao começar do dia me perguntar "como posso te agradar hoje, Senhor?", e ao fim do dia tentar lembrar-me qual foi a vitória de Cristo.

Bem, o dia ainda não terminou, mas me dou conta de que já o agradei pelo menos uma vez, e de que Ele já venceu.

A primeira vitória foi numa aula hoje de manhã, na disciplina teórica (Teoria das Organizações). É uma disciplina teórica e difícil para os alunos de Administração, e ontem teve um pé-de-guerra na aula. Saí da sala me perguntando "como iria ajudar esses meninos a entender?", pensei isso porque nas outras turmas não havia discussão alguma.

A tarde se passou, chegou a noite, e nada! Fui ao shopping Jardins! Lá na livraria Escoriz estava a solução. Fui lá atrás de uma agenda, mas vi a capa da revista National Geographic com um cão vira-lata mais ou menos assim "Como o cão vira-lata moldou a cultura brasileira". E me pus a ler. Na matéria, entre outras coisas, se dizia que depois da descoberta do fogo, o fato que mais influenciou os rumos da humanidade foi a domesticação do cachorro.

Ali se falava da evolução do vira-lata: enquanto os cães de raça são protegidos e se tornam cada vez mais frágeis, os vira-latas expostos ao meio-ambiente evoluem, se tornam mais resistentes, com imunidade mais forte e mais inteligente (eu mesmo já vi um cão atravessar a rua olhando para os dois lados e atravessando na faixa!)

Isso caiu como uma luva para mim que iria falar da teoria da ecologia populacional (teoria americana de 1977, que afirma que não adianta administrar, porque as melhores empresas serão automaticamente selecionada pelo ambiente, é considerada anti-administrativa, no seu lugar vigora até hoje a teoria da contingência que afirma que não há uma melhor forma de administrar, porque a decisão a ser tomada vai depender muito do meio ambiente). Usei o cão vira-lata como exemplo para falar de evolução e ecologia.

Para completar, ainda aproveitei para falar de empreendedorismo usando os cães, falando por exemplo sobre a importância do ambiente cultural para a tomada de decisão. o exemplo? O número de cães cresce, por isso abrem-se novas oportunidades de mercado, como por exemplo, os hotéis e as colônias-de-férias para cães juntamente com os motéis e os bordéis para esses bichos. Quando eu falei em "bordel para cães", a turma inteira riu e eu pensei "conquistei a turma!" Criso realmente é "o cara" me botando na frente daquela revista e me fazendo lê-la! É impressioannte como Ele nos conhece e como é terno!

Me agradou muito depois da aula responder a outra grande amiga, Ariane, que me pediu para pôr uns textos no site do Instituto da Família. Eu pus prontamente e fiquei muito contente. É para agradar a Cristo! Que impressionante! Como nos diz o grande Dom Giuss, a felicidade é mesmo seguir um Outro, que nos conhece e nos ama!

segunda-feira, 8 de março de 2010

Uma inimizade estabelecida por Deus


Nossa Senhora da Defesa

No Dia Internacional da Mulher, posto este texto clássico, que é sobre a "Mulher" com "M" Maiúsculo!

por São Luís Maria Grignon de Montfort


"Inimicitias ponam inter te et mulierem, et semen tuum et semen illius; ipsa conteret caput tuum, et tu insidiaberis calcaneo eius" (Gn 3, 15): Porei inimizades entre ti e a mulher, e entre a tua posteridade e a posteridade dEla. Ela te pisará a cabeça, e tu armarás traições ao seu calcanhar.

"Uma única inimizade Deus promoveu e estabeleceu, inimizade irreconciliável, que não só há de durar, mas aumentar até o fim: a inimizade entre Maria, sua digna Mãe, e o demônio; entre os filhos e servos da Santíssima Virgem e os filhos e sequazes de Lúcifer; de modo que Maria é a mais terrível inimiga que Deus armou contra o demônio. Ele lhe deu até, desde o paraíso, tanto ódio a esse amaldiçoado inimigo de Deus, tanta clarividência para descobrir a malícia dessa velha serpente, tanta força para vencer, esmagar e aniquilar esse ímpio orgulhoso, que o temor que Maria inspira ao demônio é maior que o que lhe inspiram todos os anjos e homens e, em certo sentido, o próprio Deus.

Não que a ira, o ódio, o poder de Deus não sejam infinitamente maiores que os da Santíssima Virgem, pois as perfeições de Maria são limitadas; mas, em primeiro lugar, Satanás, porque é orgulhoso, sofre incomparavelmente mais, por ser vencido e punido pela pequena e humilde escrava de Deus, cuja humildade o humilha mais que o poder divino; segundo, porque Deus concedeu a Maria tão grande poder sobre os demônios, que, como muitas vezes se viram obrigados a confessar, pela boca dos possessos, infunde-lhes mais temor um só de seus suspiros por uma alma, que as orações de todos os santos; e uma só de suas ameaças, que todos os outros tormentos.

"O que Lúcifer perdeu por orgulho, Maria ganhou por humildade. O que Eva condenou e perdeu pela desobediência, salvou-o Maria pela obediência. Eva, obedecendo à serpente, perdeu consigo todos os seus filhos e os entregou ao poder infernal; Maria, por sua perfeita fidelidade a Deus, salvou consigo todos os seus filhos e servos e os consagrou a Deus.

"Deus não pôs somente inimizade, mas inimizades, e não somente entre Maria e o demônio, mas também entre a posteridade da Santíssima Virgem e a posteridade do demônio. Quer dizer, Deus estabeleceu inimizades, antipatias e ódios secretos entre os verdadeiros filhos e servos da Santíssima Virgem e os filhos e escravos do demônio. Não há entre eles a menor sombra de amor, nem correspondência íntima existe entre uns e outros. Os filhos de Belial, os escravos de Satã, os amigos do mundo (pois é a mesma coisa) sempre perseguiram até hoje e perseguirão no futuro aqueles que pertencem à Santíssima Virgem, como outrora Caim perseguiu seu irmão Abel, e Esaú, seu irmão Jacob, figurando os réprobos e os predestinados. Mas a humilde Maria será sempre vitoriosa na luta contra esse orgulhoso, e tão grande será a vitória final que Ela chegará ao ponto de esmagar-lhe a cabeça, sede de todo o orgulho. Ela descobrirá sempre sua malícia de serpente, desvendará suas tramas infernais, desfará seus conselhos diabólicos, e até o fim dos tempos garantirá seus fiéis servidores contra as garras de tão cruel inimigo". (Tratado da Verdadeira Devoção à Santíssima Virgem, Ed. Vozes - VII Edição, Petrópolis, 1971, pp. 54-56) (grifos nossos).

terça-feira, 2 de março de 2010

Qual é o oposto da felicidade?


Mário de Andrade (1893-1945)

"O oposto de dor é prazer.
O oposto de alegria é tristeza.
O oposto de felicidade é ateísmo." Mário de Andrade