sexta-feira, 30 de dezembro de 2011

A intercessão de Bruno Tolentino

Há várias semanas, fui visitar o Bruno Tolentino no seu túmulo, pela primeira vez. Tomei um choque logo que cheguei porque, na sua humílima lápide está escrito assim um epitáfio à Mãe de Deus: "Vem!" Fiquei muito impressionado, na verdade, petrificado quando li aquilo: "Vem!", porque pouco tempo antes tinha lido de Dom Giussani que toda a santidade está na palavra "vem", mais do que em qualquer moralidade ou em qualquer estar à altura, mas na palavra "vem". No "vem" está toda a santidade, a tal ponto que o próprio Dom Giussani diz que "o homem que rezar o Veni Sancte Spiritus, veni per Mariam trezentas vezes por dia, será feliz!".

E ali, topo eu com este epitáfio, que tem me dominado e acendido a minha confiança e a minha súplica contínua à Nossa Senhora, que me foi um contragolpe, uma oração belíssima à Mãe de Deus:

"Vem, desperta, 
matriz da eternidade e d’O sem-fim,
ó mãe de Deus, canta e roga por mim"

Rezei um terço pelo Bruno Tolentino e rezei por mim também. E tenho percebido sua intercessão em minha vida! Que coisa impressionante perceber a comunhão dos santos! Pode parecer uma loucura estar dizendo isso, mas no meu desejo contínuo de retomar a minha vida intelectual, e no ver isso acontecer cada vez mais, mesmo paulatinamente, tenho reconhecido a presença e a intercessão de Bruno Tolentino! Que ele e a Mãe de Deus roguem por mim! 

quarta-feira, 28 de dezembro de 2011

Em cima da minha mesa

Estava olhando em cima da minha mesa, somada à barafunda de papéis, cadernos e livros, e me dei conta da presença de alguns dos objetos que me são os mais caros na vida: a imagem de Nossa Senhora de Lourdes, trazida pelo meu amigo Vinícius, de Lourdes, na França; a imagem da Virgem de Czestochowa, trazida da Polônia pela minha amiga Valentina, que foi agradecer o fato de ter se formado. Além disso, se soma a relíquia de São Ricardo Pampuri, que me foi dada pela Maria Rosária, amiga de Nápolis, uma imagem do Sudário de Torino, "roubada" do Enzo, e o belo ícone da Ressurreição, que eu ganhei da minha grande amiga Inês, em Petrópolis, no início deste ano, quando lá fui encontrá-la com alguns amigos, em meio à destruição da catástrofe do início deste ano. Impressionante ganhar um ícone da Ressurreição em meio ao mar de mal e destruição que aconteceu na região serrana do Rio, no início do ano. E, nos últimos dias, veio se somar a todas estas coisas, a lembrança do batismo de Maria Elisa, minha nova amiga: um pote de água benta! Escrevo isso porque amanhã se completam cinco anos deste blog, que se propôs como um blog de combate! E o verdadeiro combatente é Jesus, "vir pugnator", homem lutador, que entra em minha vida por meio de todos esses acontecimentos, fatos e pessoas! Impressionante perceber a batalha que Ele trava para entrar em minha vida, e como Ele é vencedor!

sexta-feira, 16 de dezembro de 2011

O yorkshire e o Natal
















Cão yorkshire e uma criança

Há alguns dias, recebi uma mensagem de uma amiga me alertando sobre o estardalhaço que a mídia fez com o cão Titã, enterrado vivo pelo próprio dono há mais de uma semana. E eu realmente levei isso em consideração, a tal ponto que ontem, quando vi o que uma enfermeira de Goiás fez com o seu cão yorkshire, simplesmente não acreditei, tal era a estapafúrdia da situação, achando que era sensacionalismo fake. Procurei ver em sites mais "sérios", mas ontem só aparecia algo na mídia indie. Na mídia "oficial" não havia nada. Hoje, pela manhã, já havia a matéria no Yahoo! e no UOL, e o delegado da cidade onde a meliante reside e executou o seu crime confirmou o óbito do cão por maus-tratos; assassinato, ora pois.

Há algum tempo, tinha dado um time neste blog, porque como diz a grande Rose Busyinge, de Uganda, "neste mundo se fala demais, e é necessário ver", e a mim não é difícil falar nem palpitar. Sou filho da cultura do palpite, como diria o grande poeta Bruno Tolentino, e não tenho vergonha de confessar minha ignorância e estupidez. E fiz isso calando-me. Como gosto de divulgar, passei a espalhar aquilo que eu achava que era bom, como muitos textos (um dos últimos este sobre o Natal, de Marco Montrasi http://passos.tracce.it/default.asp?id=411&id_n=2569). Mas nas últimas semanas, muitos fatos conexos entre si e ao mesmo chocantes me levaram a me indignar e a querer escrever essas poucas linhas.

É chocante ver cães sendo arrastados pelas ruas amarrados a carros, enterrados vivos, espancados até a morte. Sinal evidente de que algo há de errado com as pessoas, sejam por fazerem estas coisas, seja por não se indignarem e se chocarem com elas. No meio disso tudo, a coisa mais inteligente que eu li foi a seguinte: "Para que cria? (o bicho)". O que me impressionou, nestes dias, é perceber como o mal é patético e grosseiro, grotesco, porque essas atitudes são estúpidas. Quem obriga essas pessoas a terem esses cães? Quem os obrigou a criá-los? Ou por que matá-los com tais requintes de crueldade? Poderiam simplesmente dar um veneno, mas não: aqui evidencia-se o prazer do mal, de infligir dor e tortura.

 Realmente, existe algo de errado no ser humano, algo de muito errado, diria Chesterton. A Igreja fala em pecado original. Porque não deve ser normal sentir prazer na dor do outro. Mas as coisas estão assim. Como diria o grande Renato Russo: "vivemos num mundo doente". Graças a Deus que o Natal, uma criança presente nos lembra que nem tudo são trevas, que a realidade é mesmo ocasião de novidade, e remédio para essa doença mortal que nos atinge. Como é bom poder respirar e sair do bunker, no qual pobres animais são arrastados, enterrados vivos e espancados até a morte!